sexta-feira, 19 de outubro de 2012

O escrito e o pensado

Jonathan Wolstenholme


Eu escrevo pensando.
Não. Eu penso escrevendo.
Eu escrevo enquanto penso.
Não. Eu penso enquanto escrevo.
Eu escrevo e penso.
Não. Eu penso e escrevo.
Eu escrevo, mas penso.
Não. Penso, todavia escrevo.
Escrevo porque penso.
Não. Penso porque escrevo.
Embora escreva, eu penso.
Não. Embora pense, eu escrevo.
Nem sempre penso no que vou escrever.
Não. Nem sempre escrevo o que penso.
Se penso é porque escrevo.
Não. Se escrevo é porque penso.
Eu penso pra escrever.
Não. Eu escrevo pra pensar.

Penso em escrever o que tinha pensado pensar.

2 comentários:

  1. Finalmente!! De uma coisa eu tenho certeza, você pensou, pensou, pensou, pensou, pensou e só então escreveu desta vez! Quero ver vc fazendo o contrário, fazendo aquilo que disse em verso: escrever, escrever, escrever pra pensar! Agora, esta leitura me trouxe uma boa reflexão, me deixou pensativo (espero que isso me leve ao escrever)... e ressaltou minha situação em que eu tenho pensado pra pensar, sem escrever. Quem sabe isso não me salva da crise?

    ResponderExcluir
  2. É aquela história, né: tem poeta que escreve a sua poesia, e tem poeta que a vive. Eu gostaria de estar no segundo caso... (Acho que quem disse isso foi um dos meus poetas preferidos, Manuel Bandeira)

    ResponderExcluir